Passatempo Atum Santa Catarina

Olá, Olá!
Finalmente chegou aquela fantástica época do ano de partilha, reunião e também algumas prendas! Para comemorar o espírito natalício, poderão a partir de amanhã e até ao dia 25 de Dezembro, participar neste passatempo e ganhar 12 latas de Atum Santa Catarina!

bonito_52427-AA-1024x682
Esta marca é herdeira da antiga tradição conserveira da ilha de São Jorge, levando até ao consumidor o melhor atum preparado segundo os métodos artesanais usados pelos antigos mestres conserveiros. O atum além de ser pescado de “Salto e Vara” no mar dos Açores (1 homem, 1 cana, 1 anzol, 1 peixe) sem qualquer atividade predatória, sendo a única pesca que pode ser considerada Dolphin Safe e ambientalmente sustentável, é trabalhado à mão em Santa Catarina. Toda a preparação do atum e das conservas, é feita através das experientes mãos das mulheres da ilha, obedecendo às mais antigas práticas artesanais. É esta preocupação com a qualidade que permite aos consumidores encontrar no atum Santa Catarina um produto de excelência, com o sabor único do mar dos Açores.
A marca é açoriana e casa respeitosamente esse peixe tão apreciado em todo o mundo com sabores inesperados tais como o caril, o poejo, o manjericão e o alecrim.

bonito_53667-AA-1024x682

Curiosos e com água na boca?! E não é para menos! A partir de amanhã corram para a página do Facebook do “No Leftovers” ou concorram aqui mesmo. Boa sorte!

Click here to view this promotion.

O pecado da gula

Se há coisa que eu gosto de fazer, é de petiscar! Seja em piqueniques, jantaradas, festas, eventos…qualquer ocasião serve de desculpa para comer!
Nós portugueses somos verdadeiramente viciados em comida. Fizemos da nossa gastronomia uma riquíssima coleção de receitas feitas com ingredientes menos usuais e que noutros tempos chegaram mesmo a ser rejeitados: os pés, rabo e orelhas de porco, as tripas, as cabeças de peixe, os miúdos dos frangos…em outras tantas culturas ingredientes completamente desprezados, e que ultimamente têm sido novamente redescobertos e reinventados.
Prova de que além de astutos somos um povo criativo e perspicaz, é que mesmo com poucos ingredientes podemos criar os melhores pratos a um custo bastante acessível. Se pensarmos bem, os melhores petiscos portugueses são na verdade bem baratos e fáceis de fazer, e muitas vezes com os ingredientes mais acessíveis: as moelas, os pézinhos de coentrada, a orelha grelhada com molho verde, a feijoada ou a dobrada…e poderia continuar a enumerar os milhentos exemplos da boa cultura gastronómica do nosso país.
Esta é uma dessas receitas: simples, com meia dúzia de ingredientes, meia hora e fica com os pãezinhos de queijo ideais para aquele lanche entre amigos ou para abrir o apetite antes da refeição.

b

SERVE: 4 pessoas
TEMPO DE PREPARAÇÃO: 35 min

INGREDIENTES:
300g de farinha para bolos
1 pitada de sal
50g de manteiga
20g de açúcar branco
120 ml de leite
1 c.chá de fermento em pó
2 ovos
100 g de queijo curado ralado (usei o nº1)

1

PREPARAÇÃO:
Pré aqueça o forno a 220ºC.
Num taça junte os ingredientes líquidos: o leite e um dos ovos.
Noutra taça acrescente todos os restantes ingredientes (à exceção do outro ovo).
Esta massa deverá ser amassada apenas o suficiente para unir os ingredientes e para que não fique dura.
Com os dedos una os ingredientes secos, apertando a manteiga para que esta se vá desfazendo.
Junte os produtos líquidos e misture apenas o suficiente para que a masse fique coesa. Pode ser necessário juntar um pouco mais de farinha, dependendo do tamanho dos ovos.
Disponha a massa numa superfície enfarinhada. Molde-a brevemente com a ajuda das mãos, para que fique com uns 6 cm de altura.
Use uma taça, chávena ou molde para cortar pequenos círculos da massa.
Coloque os pãezinhos num tabuleiro forrado com papel vegetal.
Bata o ovo que resta e pincele os pãezinhos.
Leve ao forno durante 15 a 20 minutos ou até que fiquem bem douradinhos. Sirva de imediato ou mornos.

b

Sem pressas

As nossas vidas são cheias de regras. Tudo tem de ser regido por um código e por aquele maldito relógio que teima em não parar. As regras são necessárias, ou caso contrário reinaria o caos e a anarquia, mas também precisamos de tempo para respirar, para contemplar, para escutar o silêncio. Nem sempre conseguimos…as nossas rotinas diárias são preenchidas até ao mais pequenino segundo…hora de acordar, de sair de casa, de encontrar aquela pessoa, de comer, de trabalhar, de regressar a casa, de preparar o jantar, o banho dos miúdos, de dormir…tantos e tantos horários. E quando olhamos em volta apercebemo-nos que na nossa ânsia de agarrar o tempo, este nos escapou tão facilmente pelos dedos, tal como areia da praia.

Hoje é dia de parar…de aproveitar o momento. De beijar o nosso marido como se fosse a primeira vez, de abraçar os nossos filhos como se tivessem acabado de nascer, de olhar o Outono a acamar lentamente à nossa volta…ou de comer uma simples fatia de bolo, sem pressas. Bom fim de semana!


SERVE: 6 pessoas
TEMPO CONFEÇÃO: 120MIN

INGREDIENTES:
Curd de Laranja:
200g Açúcar
6 Ovos
150ml de Sumo Laranja
Raspa de 2 Laranjas
100g de manteiga de vaca Téte

Bolo:
2 c.s. de açúcar em pó
8 c.s. de curd de laranja
100g de açúcar branco
100g de manteiga amolecida
150g de farinha para bolos
2 ovos
Raspa de 1 laranja
1 c.chá fermento em pó

blog4

PREPARAÇÃO:

Curd de Laranja:
Coloque uma panela com água ao lume até que esta comece a ferver.
Numa taça bata os ovos com o açúcar. Junte o sumo e a raspa das laranjas.
Coloque a taça sobre a panela de água quente (sem contacto direto) e mexa a mistura até engrossar (uns 10-15 minutos). Retire do lume e junte a manteiga. Mexa até que esta derreta por completo, coloque o curd numa travessa com película aderente por cima para não ganhar película e reserve no frigorífico.

Bolo:
Aqueça o forno a 170º.
Unte uma forma com manteiga e polvilhe com o açúcar em pó.
Bata o curd com o açúcar, a raspa da laranja e a manteiga amolecida.
Junte a farinha e o fermento peneirados e coloque a massa numa forma.
Leve ao forno durante 35-40 minutos.
Retire-o, deixe arrefecer e desenforme.

blog3

Crostini’s de Requeijão, Salmão e Azeitona

Ultimamente os horários cá de casa andam todos trocados. Acho que a chegada de um bebé é assim mesmo. Para alguém que aprecia bastante horários e rotinas como eu é algo difícil ajustar-me a esta nova realidade. Ainda por cima porque eu sou aquela pessoa que mesmo quando não está a fazer nada, está sempre a fazer alguma coisa (não sei se me faço entender). Agora nada disso é possível…há dias muito bons em que consigo fazer imensas coisas, outros em que só consigo dedicar-me exclusivamente à bebé.

4

Verdade absoluta: a chegada de um filho muda-nos visceralmente. Passamos a ter outras prioridades, a relativizar tantas coisas que antes pareciam enormes e que passam a ninharias, a apreciar o silêncio e as pequenas coisas que nos fazem sentir normais e tão “nós”- aqueles pequenos prazeres do dia-a-dia tão nossos e triviais mas que damos por garantidos: ler uma revista, saborear um café, comer devagar, preparar uma refeição com calma (algo que gosto tanto de fazer!) ou saborear um crostini destes, com os pés para cima enquanto se olha pela janela.

SERVE:4
TEMPO: 20MIN

INGREDIENTES:
4 c.s. de Azeitonas Pretas Descaroçadas
100g de Requeijão de Vaca Tété
2 c.s. de Cebola roxa picada
Raspa de 1/2 Limão
2 c.s. de Salsa Picada (guarde algumas folhas para decorar)
2 c.s. de Maionese
Sal e Pimenta q.b.
4 Fatias de Salmão Fumado
4 fatias de Pão de Centeio
1/2 Malagueta vermelha

Pique as azeitonas, a cebola roxa, a malagueta e a salsa. Junte tudo numa taça e adicione a raspa do limão.
Acrescente o requeijão, a maionese e metade do salmão picado.
Tempere com sal e pimenta. Misture e reserve.
Toste as fatias de pão de centeio e disponha o preparado anterior sobre estas.
Decore com restante salmão picado, folhas de salsa e pimenta moída por cima.

3

2

Salada de Presunto e Queijo Fresco com Ovo escalfado e Vinagrete de Porto

E enquanto o tempo autoriza, acho que ainda podemos deliciar-nos com alguma saladas, não acham? Eu acho que sim!
Eu adoro juntar fruta fresca, frutos secos, diferentes folhas ou variar nos ingredientes dos próprios molhos. E como saladas durante o ano todo e não apenas no Verão. Além de serem fáceis de preparar garantem que ingerimos as cinco porções de legumes e frutas diárias.
E quem disse que as saladas têm de ser enfadonhas?!

SERVE: 4
TEMPO: 25MIN

INGREDIENTES:

Vinagrete de Vinho do Porto:
3 c.s. de Vinho do Porto
3 c.s. de Vinagre Balsâmico
3 c.s. de Azeite Virgem
Sal e Pimenta q.b.

Salada:
1 Embalagem de Rúcula
1/2 Cebola roxa
4 Ovo (1 por pessoa)
1 fio de vinagre
Sal
Queijo Fresco Tété (2*80g)
4 fatias de Presunto

2

Num tacho coloque o vinagre e o vinho do Porto e leve ao lume até que reduza para cerca de metade. Retire do lume e deixe arrefecer.
Quando estiver já morno, incorpore o azeite e tempere com o sal e a pimenta. Reserve.

Noutro tacho coloque água a ferver com um esguicho de vinagre e sal (para fazer os ovos escalfados).
Quando a água começar a borbulhar, reduza o lume para o mínimo, faça um redemoinho na água com a ajuda de uma colher. No centro do redemoinho coloque o ovo já sem casca e deixe cozer uns 3 minutos. Retire com a ajuda de uma escumadeira e deixe secar em papel absorvente. Repita o processo para os restantes ovos.

Numa travessa disponha a rúcula, as fatias de presunto, a cebola roxa cortada em rodelas fininhas, as fatias de queijo fresco e os ovos escalfados.
Tempere com a vinagrete e sirva de imediato.

3

6

Linguini com Molho de Alho Francês, Mexilhão e Requeijão

E eis-me finalmente de volta. Para aqueles que me seguem aqui, já sabem o motivo da minha ausência temporária, (na verdade um excelente motivo!!): 39 semanas e 4 dias depois, finalmente a Carlota nasceu, com 3425g e 50cm.

Infelizmente na fase final da gravidez desenvolvi pré eclâmpsia e o parto teve de ser provocado. Não foi rápido (aliás como é habitual nos primeiros filhos) e sinceramente pensei que fosse ser menos doloroso, mas às 00h40 a minha vida mudou para sempre. Sei que estas palavras soam a cliché, mas ainda agora não consigo explicar a emoção que se sente quando nasce um filho. É uma ligação mútua e tão visceral que embora já forte mesmo antes do nascimento, se vincula com enorme naturalidade no momento em que a pele do bebé e da mãe se tocam. Não há nada mais forte e sincero do que aquele amor incondicional.

Estes 12 dias têm sido uma enorme viagem. Cada dia aprendo mais e mais, e sei que no dia a seguir serei melhor e sentir-me-ei mais confiante. Com a Carlota, cresceu uma família, nasceu um pai maravilhoso e uma mãe. E apesar das noites mal dormidas, das cólicas, das dúvidas e incertezas de primeira viagem, todos os momentos são uma benção e não posso senão sentir-me grata e extremamente abençoada.
Queremos também agradecer as palavras bonitas que partilharam connosco! Não poderíamos estar mais felizes!

Finalmente a rotina vai-se reinstalando cá por casa…já saímos para dar pequenos passeios com a princesa, já consigo espreitar o que se vai passando na net, e finalmente também já se cozinha, nem que sejam coisas mais simples, rápidas e convenientes. As massas continuam a ser as minhas favoritas e dos pratos mais versáteis que existem. Sabe tão bem voltar a casa e à comidinha caseira!

SERVE: 4
TEMPO: 20 MIN

INGREDIENTES:
1 Kg de Miolo de Mexilhão
3 c.s. de Azeite
1 dente de Alho
1 Alho Francês (apenas a parte branca)
300 ml de Natas para Culinária
125g de Requeijão de Vaca Tété
1 ramo de Cebolinho
1 Malagueta Vermelha
Sal q.b.
500g de Linguini

Coloque ao lume, uma panela com água e sal e deixe levantar fervura. Quando ferver coloque o linguini e respeite o tempo de cozedura recomendado na embalagem.
Enquanto a massa coze prepare o molho: corte o alho francês em rodelas e leve a refogar no azeite.
Quando o alho francês começara ficar translúcido junte o alho picado, meia malagueta em rodelas e o miolo de mexilhão. Mexa e deixe cozinhar uns 2 minutos.
Junte as natas e deixe que o molho reduza (5 minutos). Retire do lume.
Junte o cebolinho picado e o requeijão.
Escorra a massa e envolva-a no molho.
Sirva-a de imediato decorando com a restante malagueta.

4

3

1